Representatividade política e homenagens a Paulo Freire marcam a abertura da 14° Conferência Estadual de Educação do Sintepe

 

 

 

 

 

 

 

 

Os trabalhadores e trabalhadoras de  Educação iniciaram, hoje (29), a 14° Conferência Estadual de Educação do Sintepe. Realizado no Hotel Canariu’s, em Gravatá, o evento reunirá, até sexta-feira (31), diretores do Sindicato, coordenadores regionais, setoriais, filiados, funcionários e convidados.

Reconhecido como espaço de formação dos filiados e filiadas do Sintepe, a Conferência em sua abertura contou com a composição de uma mesa política de grande representatividade. Estavam presentes sindicatos municipais de Jaboatão dos Guararapes, Recife, Olinda, Gravatá, Cabo, representantes do Conselho Estadual de Educação, do Conselho Estadual do Fundeb, Fórum de Educação de Pernambuco,  Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, Associação de Mães, Pais e Alunos das Escolas Públicas Municipais e Estaduais do Estado de Pernambuco (Ampa-PE), UBES, UESPE, CUT, CTB, CSP Conlutas, Cátedra Paulo Freire e o Centro Paulo Freire de Pesquisa.

Ao todo, 22 representações compuseram a mesa política da Conferência. "O tamanho da mesa política mostra a amplitude do nosso sindicato, da nossa categoria, principalmente diante desse quadro político de retirada de direitos em que vivemos. É uma representatividade importante para a classe trabalhadora", destacou Valéria Silva, vice-Presidente do Sintepe. Fernando Melo, Presidente do Sintepe, fez questão de ressaltar a presença de todos os ex-presidentes do Sindicato:  Horário Reis, Paulo Valença, Teresa Leitão e Heleno Araújo. "Isso mostra a nossa unidade diante da nossa trajetória", destacou Melo, que também pontuou a importância sobre a resistência dos trabalhadores diante da atual conjuntura política.

Nas falas, os componentes da mesa destacaram a importância de se eleger candidatos da esfera executiva e legislativa comprometidos com a defesa dos direitos dos trabalhadores. Os integrantes da mesa reafirmaram a luta pela valorização dos trabalhadores em educação, pela educação pública de qualidade, pelo plano de cargos e carreiras, defenderam os ideais freireanos e uma educação que seja livre para fazer proposições, críticas e construções.

Cultura - A abertura do evento contou ainda com a participação do balé contemporâneo Arte e Movimento José Cleberson, de Gravatá, e a exibição do  vídeo Paulo Freire, por Eliete Santiago, em homenagem aos 50 anos de lançamento do livro Pedagogia do Oprimido. Já a professora Bruna Sola, representante da Universidade São João del-Rei, apresentou aos conferencistas a mostra Cartas à Paulo Freire, uma atividade acadêmico-institucional entre a Cátedra Paulo Freire e a Universidade Federal de São João del-Rei. A mostra apresenta ao público mais de 200 cartas produzidas pelos alunos do educador e que foram endereçadas a Paulo Freire A Mostra traz um estudo coletivo dos quatro livros-cartas de Freire, apresenta uma produção de uma carta resposta dos professores-pesquisadores e convida o púbico a refletir sobre o que diriam a Paulo Freire através de cartas. E você? O que diria a Paulo Freie se tivesse a chance de lhe escrever uma carta?