Último dia de Conferência Estadual de Educação discutiu mudanças no cenário sindical e político brasileiro


O tema Reforma Trabalhista e Revolução tecnológica: impactos na Educação Pública foi o foco da discussão da penúltima palestra da 14ª Conferência Estadual de Educação do Sintepe. O debate foi conduzido pelo Diretor Técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) e sociólogo, Clemente Ganz Lúcio.  

Após a palestra, os conferencistas assistiram ao debate com os candidatos ao governo de Pernambuco, que contou com a presença de Ana Patrícia Alves (PCO), Simone Fontana (PSTU), Dani Portela (PSOL), Júlio Lossio (Rede) e Maurício Rands (PROS). 

Ao iniciar sua palestra, Ganz perguntou aos presentes quantas pessoas naquela Conferência tinha menos do que 20 anos de idade e apenas duas pessoas levantaram a mão. Para o diretor técnico, é extremamente importante que os sindicatos tragam pessoas jovens para o movimento sindical, pois a luta dos trabalhadores feita nos próximos 20 ou 30 anos será enfrentada por pessoas que deveriam estar em espaços de formação como a 14ª Conferência Estadual de Educação do Sintepe.

Em sua palestra, Ganz ponderou sobre os desafios dos sindicatos conviverem com as mudanças geradas pela 4ª Revolução Industrial seja no mundo do trabalho ou no comportamento humano. Hoje, por exemplo, a população usa o celular – um aparelho da 3ª Revolução Industrial – como se fosse uma parte do nosso corpo e essa tecnologia mudou a forma como as pessoas se relacionam. “Os jovens não reconhecerão a sociedade em que vivemos, pois a transformação é muito grande e acelerada. Esses jovens serão trabalhadores que farão o próximo Brasil e construirão um mundo que não temos de ideia de como será”, refletiu o sociólogo, frisando que esses mesmos jovens estão sendo formados para criminalizarem os sindicatos e é cada vez mais urgente discutir sindicalismo com esse público.

O palestrante lembrou ainda sobre os novos tipos de empregos como consequência das novas tecnologias e da possibilidade se trabalhar em casa ou em qualquer outro local. “Como os sindicatos encontrarão os seus filiados? Nas empresas? Os sindicatos precisam pensar em nossas formas de encontrar os trabalhadores”, cutucou o sociólogo. As mudanças na estrutura sindical, nas formas de contribuição e nas consequências das novas leis trabalhistas precisam ser encaradas pelos movimentos sindicais. Para Ganz, uma alternativa seria os trabalhadores se organizarem nos bairros de forma cooperada.

Como desafio, Ganz acredita que o movimento sindical precisa entender as mudanças da atual sociedade e vivê-las, ou seja, trazer novas ideias para dentro do espaço sindical e compreendê-las. Lançar estratégicas para uma nova organização da classe trabalhadora por pessoas que vivam o mundo sindical, inserir as mulheres nos espaços sindicais, mudar a estrutura sindical e encarar o desafio de incluir os trabalhadores na sua representação, uma vez que o sindicato não representa todos que atuam em uma empresa, são alguns dos desafios citados por Clemente Ganz Lúcio.

Após palestra, os conferencistas foram apresentados a outro desafio: discutir projetos políticos com os candidatos ao governo do estado de Pernambuco. Quem não participou da 14ª Conferência Estadual de Educação do Sintepe, pode conferir o debate através da transmissão da FanPage do Sintepe e que pode ser conferida através dos links 1ª parte e 2ª parte.