Minha mãe, meu amor


O Sintepe homenageia todas as mães neste final de semana através desta publicação. Os nossos cumprimentos são em forma de poesia, uma forma de acarinhar todas que se esforçam em proteger, cuidar e educar dos/as filhos/as deste país. A poesia é do diretor João Alexandrino de Oliveira.

 

Mãe, parição que faz nascer

Ela, ele, eu, você

Temos que reconhecer

Nenhuma é igual a você

 

Te amo, mamãe querida.

Sempre lutou para que eu chegasse onde estou

Obrigado por dar o melhor de si

Por mim, por nós


Mesmo na situação difícil que passou

Quando seu marido, meu pai, nos abandonou

Me deu um abraço e chorou

Naquelas lágrimas desabafou

Dizendo: na alegria ou na dor

Vou te criar com amor

Estude, aprenda e, quando se formar,

Para a minha alegria, seja um professor.