Debate ao vivo do Fórum Estadual de Educação Sintepe discute direito à educação em tempos de Covid-19

 

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Pernambuco (Sintepe) participou no dia 09 de junho, às 16h, de um debate online promovido pelo Fórum Estadual de Educação, com transmissão pelo TV Sintepe (Youtube) e suas plataformas digitais (Facebook e Instagram). Participaram da conversa Fernando Melo, presidente do Sintepe, Heleno Araújo, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e Márcia Ângela Aguiar, coordenadora do Fórum Estadual de Educação de Pernambuco (FEE-PE), esta última integrante como mediadora.


 

Com o tema “O Direito à Educação em Tempos de Pandemia: desafios, ações e perspectivas”, o encontro começou com as palavras do professor e sindicalista Heleno Araújo saudando a categoria, dirigentes de outras instituições sindicais e apresentando, infelizes, dados numéricos preocupantes da situação da educação no Brasil. “Temos em nosso país pouco mais de 11 milhões de pessoas, aquelas consideradas analfabetas funcionais, e fora, somando-se os que não conseguiram concluir a educação básica, temos aí 80 milhões de brasileiros(as) que não tiveram direito à educação”, lamentou Araújo.


O mesmo educador ainda indicou estudos, feitos por órgãos competentes no assunto, como o INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), que apontam escolas públicas, por exemplo, que ainda têm suas atividades diárias com o mínimo de condições básicas de infraestrutura. Outro ponto debatido disse respeito à inclusão de outras ferramentas de ensino e educação como biblioteca, quadras de esportes, salas de informática e outros meios de educar extra sala de aula.


Prontamente, Fernando Melo apontou que os desafios enfrentados na educação já vinham sendo mostrados bem antes da pandemia que tomou conta do mundo em 2020, e claro, segundo o representante do Sintepe, só veio a piorar. “Na prática o que estamos vivendo seria os chamados nichos sociais, aqueles de maior renda e que tem levado de certa forma uma vantagem em relação a população mais vulnerável aos efeitos da epidemia”, pontuou Melo.


Os integrantes do debate na live concordaram que os princípios do direito à educação passa necessariamente pela equidade, e posteriormente, o acesso e permanência deste benefício. O desafio de adaptar às aulas remotas durante o isolamento social, tendo que colocar estudantes e docentes em contato virtual para a emissão dos conteúdos do calendário escolar é denunciada pelas grandes desigualdades enfrentadas no Brasil.


De acordo com Melo, outro grande confronto, será a implantação de aulas remotas, pois essas atividades presenciais jamais poderão ser substituídas por plataformas que não comportam e nem incluem a todos(as).


A conversa deu oportunidade para que os ativistas em favor do direito à educação pudessem falar de temas como o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), esclarecido por Heleno Araújo. O recurso existe e o governo federal é o que mais arrecada, enfatizou Fernando Melo.

 

Contudo, alguns comentários e elogios quanto a live foram lidos pela mediadora do debate. Ao término de mais de uma hora de conversa, tanto Araújo quanto Melo colocaram seus pontos de vista e todas as diretrizes que o poder público tem para fazer da educação pública brasileira tenha não só no momento atual de pandemia, mas para o presente e o futuro.

 

 

 

Texto: Ernandes Tavares

Edição: Jônatas Campos