Sindicalistas pedem Lula Livre e o restabelecimento da soberania nacional em ato

Nesta segunda-feira (9), a CUT realizou o ato Luta contra o Golpe e em Defesa da Soberania. A mobilização foi feita na Praça da Independência, no bairro de Santo Antônio, em Recife, e reuniu sindicatos pernambucanos, representantes de sindicatos nordestinos e movimentos sociais.   

De acordo com Paulo Rocha, Presidente da CUT-PE, o ato teve como objetivo promover lançamentos de iniciativas populares de forma pública. “Vamos lançar o Dia do Basta, evento previsto para o dia 10 de agosto, a Caravana que apoiará a candidatura do ex-presidente de Luís Inácio, e apresentar – por parte do MST - a Marcha Lula Livre, que sairá de Bezerros, no dia 16 de julho, e a previsão é que seus integrantes cheguem ao Recife no dia 20 de julho”, explicou Paulo Rocha.

Para Fernando Melo, o ato é necessário porque reafirma e divulga temas importantes para a população, como a prisão política de Lula e o ataque à soberania nacional. “O que está por trás da prisão e da tentativa de manter Lula preso é o fato de que Lula representa outro tipo de projeto, outro tipo de sociedade que está fora do mapa da grande Geopolítica. Lula incomoda não só as grandes elites, os grandes grupos nacionais, mas também os grandes grupos do capitalismo internacional quando reúne outras nações e cria o BRICS”, argumentou Melo, Presidente do Sintepe.

A luta por uma sociedade democrática e soberana passa também pelo campo da educação. Dessa forma, as entidades educacionais que lutam por uma educação pública, laica, democrática e de qualidade para todos se uniram à mobilização e propuseram que as propostas construídas na Conferência Nacional Popular de Educação (CONAPE) sejam assimiladas pela Plataforma da CUT Eleições 2018. O pedido foi atendido pela CUT e esse documento final pode ser conferido através do link.

Para Heleno Araújo, Presidente da CNTE, duas medidas são urgentes no campo da educação: revogar a emenda 95, que congela os investimentos da educação nos próximos 20 anos, inviabilizando o Plano Nacional de Educação e acabar com a Portaria 577, do Ministério da Educação, que limita a participação social do Fórum Nacional de Educação.

“Esse documento final - Plataforma da CUT Eleições 2018 e o Documento Final da Conape 2018 - será apresentado a todos os candidatos à Presidência da Republica do campo da esquerda para que eles possam assumir o compromisso de implementar aquilo que nós aprovamos na Conferência Nacional Popular de Educação”, adiantou Araújo.

Fotos: Agência JC Mazella e acervo pessoal de representantes sindicais.