Colóquio Internacional celebra vida e obra de Paulo Freire e diz não à opressão


O Sintepe participou hoje (20) da abertura do X Colóquio Internacional Paulo Freire. Com o tema, Paulo Freire: 50 anos de Pedagogia do Oprimido, a solenidade de abertura destacou a importância dos ensinamentos de Paulo Freire para a geração contemporânea, que convive com diversas e diferentes formas de opressão. A abertura do evento foi realizada no auditório da Fafire, no centro do Recife, e, nos dias 21 e 22, o evento será realizado no campus da Universidade Federal de Pernambuco.

O espetáculo Caminhos, de Fábio Soares, abriu as atividades do X Colóquio Internacional Paulo Freire e inseriu cultura popular, questionamento, brincadeiras e a força da cultura produzida pelo povo nordestino. Após esse momento, a solenidade de abertura foi iniciada com a participação de representantes de instituições de ensino, da sociedade civil e também do Poder Legislativo.

Durante a ocasião, André Ferreira, Presidente do Centro Paulo Freire, lembrou a celebração dos 20 anos do Centro e os 100 anos de Dom Helder Câmara. Ele pontuou que hoje - passados 50 anos dos ensinamentos de Pedagogia do Oprimido – a opressão se modificou e adquiriu novas formas. Para Ferreira, é necessário interpretar esses novos sinais de opressão e socializar conhecimentos construídos para que todos possam interpretar corretamente os discursos de ódio e de violência e nos libertar de toda forma de opressão.

A reitora da Fafire, a professora Maria Soares da Costa, recebeu os coloquialistas com alegria e reafirmou a importância de resgatar a memória de Paulo, pois todos devem estar preparados para o enfrentamento do contexto que vivemos. “Estaremos dispostos a para qualquer coisa, mas não para o coisa”, disparou a reitora, que foi muito aplaudida. Para ela, o Colóquio é o ponto de partida e de chegada para as respostas que surgem e surgirão acerca desse enfrentamento.

A diretoria do Sintepe, Séphora Freitas, concorda com os seus interlocutores e defendeu a importância do Sindicato atuar diretamente na luta por uma sociedade melhor, para além das questões de classe. Luta e resistência que precisam ser feitas com amor, com carinho, com solidariedade e tolerância, como Paulo Freire nos ensinou. “O Sintepe está junto na luta por justiça, por um mundo melhor, por uma educação pública de qualidade social, por uma educação inclusiva, por uma educação democrática por tudo que o Brasil está precisando hoje”, enumerou.

O evento também contou com a representação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Universidade de Pernambuco (UPE), Comissão de Educação e Cultura da Alepe, Secretaria Estadual de Ensino (SEE), Instituto Paulo Freire Portugal (IPFP), Cátedra Paulo Freire, Secretaria de Educação de Recife e Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE).