Conselho Estadual de Representantes analisa o contexto político estadual



O Conselho Estadual de Representantes continuou com as suas reflexões na quinta-feira (13). A mesa Análise da Conjuntura Estadual contou com a participação da deputada estadual, Teresa Leitão, do secretário de Formação Política do Diretório Estadual do PT, Múcio Magalhães, e do Presidente estadual do PC do B.

 

A deputada estadual foi a primeira a fazer as suas considerações e nelas a professora pontuou os acontecimentos políticos e alianças partidárias que aconteceram de 2014 até hoje. Em relação ao atual governo, Teresa Leitão se mostrou descontente em relação à falta de debate realizado entre os atores políticos e entre os poderes Executivo e Legislativo. Sobre as posições futuras em relação ao governo eleito, a deputada considera ainda ser necessário discutir sobre quem quer aliado do governo. No âmbito institucional, Teresa observou que as políticas estão estranguladas, uma vez que o Estado - a exemplo de vários outros - está com dificuldade financeira e há de se fazer um redimensionamento das suas políticas públicas.

Marcelino Granja, Presidente estadual do PC do B, destacou a importância de celebrar a união de forças que elegeu os governadores do Nordeste, a Frente Ampla. “O Nordeste construiu um cenário de contraponto em relação ao cenário nacional”, destacou. Para o dirigente, é preciso preservar essa aliança e saber lidar com as suas contradições, pois o Presidente eleito fará várias armadilhas para isolar esses governadores nordestinos que precisarão agir em bloco para preservar a aliança política e garantir o conquistado.

O secretário Múcio Magalhães discordou do ponto de vista que a construção da Frente Ampla explica as votações no Nordeste. Para ele, o que viabilizou as vitórias no Nordeste foram as obras sociais na região capitaneadas por Lula e por Dilma. Essas obras mudaram os perfis econômico e social da região que tiveram um grande investimento depois de muitos anos de esquecimento. Essa vontade política resultou em uma mudança nos níveis de desemprego, sociais, da agricultura familiar e da indústria e, logo após o impeachment de Dilma, esses números voltaram a cair, uma vez que as políticas sociais foram paulatinamente desmontadas.

Para Múcio Magalhães, o cenário é de desesperança. “O povo de Pernambuco não tem diante de si nenhuma perspectiva de melhorar a sua vida. O funcionário público não vê condições de melhorar as suas condições de trabalho”, sentenciou. A conjuntura difícil que se vê pode sim ser superada com a Frente Ampla capaz de reuniu pautas que consigam agregar cada vez mais a população, alianças sérias, um diálogo franco e abrir mão de fórmulas genéricas.