Solidariedade ao MST e ao Centro de Formação Paulo Freire

 

Temos a compreensão clara e evidente de que o Governo Bolsonaro elegeu a educação, os educadores e educadoras e os estudantes como seus inimigos número 1, os quais seu governo tem o objetivo de destruir por meio das ações absurdas que vem implementando com seus ministros lunáticos e seguidores na Educação. Além dos cortes nas verbas das universidades, o delírio bolsonarista promove perseguições aos educadores em sala de aula e aos sindicatos da categoria.

Agora, comete mais um absurdo autoritário com esse pedido de reintegração de posse do Centro de Formação Paulo Freire, localizado no Assentamento Normandia, em Caruaru, feito pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e acatado pela 24ª Vara da Justiça Federal.

 

Há uma ofensiva do governo de Jair Bolsonaro contra os movimentos sociais e sindical em todo o Brasil. A covardia sem limites se materializa nessa ação contra um centro de formação em atividade há 20 anos, tendo contribuído para capacitar milhares de educadores do Brasil e do mundo.

 

Declaramos nossa total solidariedade com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e aos assentados da Fazenda Normandia. Estamos na luta para que essa decisão absurda da Justiça, assim como o ímpeto de perseguição do Governo Bolsonaro, não logrem sucesso e o Centro de Formação Paulo Freire possa continuar dando sua contribuição essencial à educação em nosso Estado.

 

SINTEPE