173 mil vidas

Coluna publicada nos jornais dos dias 10 e 11 de janeiro de 2016

Há 15 anos nascia o Sistema de Assistência à Saúde dos Servidores do Estado de Pernambuco (Sassepe). De lá para cá, os 173 mil beneficiários têm arcado com as despesas do plano. Enquanto esses retiraram dos seus bolsos em 2015 um montante de 19 milhões, o governo retirou apenas R$ 6 milhões e 500 mil. Essa diferença em termos de repasse acaba comprometendo a qualidade dos serviços oferecidos para os servidores que dependem do sistema.

Em termos de investimento na rede própria há muito o que se fazer, a começar com as reformas no hospital que já duram anos por falta de repasse de recursos do governo e as dificuldades de pessoal se agravam com a não realização de concurso.

Devido à faixa etária dos usuários do plano, os serviços de saúde são constantemente procurados. Mais de 60% dos que necessitam de atendimento na rede têm mais de 50 anos. Os problemas de saúde, sendo os mais frequentes relacionados à voz, à coluna, às questões emocionais e ao sistema vascular se agravam por conta da demora na marcação de consultas, de exames e de cirurgias.

No ano de 2015, várias reuniões a respeito do Sassepe foram realizadas entre os representantes dos servidores e do Governo para discutir o sistema de saúde. Raio X e ultrassom foram alguns exames que não estavam sendo marcados e que para 2016 já estão sendo. A situação das três maiores prestadoras de serviço oftalmológicos: Hope, Santa Luzia e IOR melhorou. Essas melhorias são indicativos de que a luta é constante na busca de avanços para beneficiar o trabalhador.

As reivindicações da categoria são antigas: ampliação da contribuição do governo, zeramento da dívida com a rede credenciada, realização de concurso, dentre outras.

Após o Carnaval, o SINTEPE vai realizar assembleia, na qual atualizará as informações a respeito do Sassepe.