24 de Janeiro - Dia Nacional do Aposentado

 

Escrever uma homenagem sobretudo sobre um tema tão difícil é um desafio. Consultando o dicionário temos:

 

Aposentar: 1. Conceder reforma ou dispensa de serviço a; 2. Pôr de parte, de lado; 3. Deixar o serviço, ou atividade, com direito a um vencimento.

Aposentadoria: Estado de "inatividade" de funcionário público ou de empresa privada após certo tempo de serviço.

 

Dramática definição é essa contida no famoso Aurélio! Pensem em toda história de vida que cada pessoa carrega consigo, na rotina de acordar todos os dias a mesma hora, dirigir-se para o local de trabalho, levantar da cama planejando o dia de trabalho, o que priorizar, como resolver os entraves, inspirar-se, pedir a Deus força e coragem para mais um dia de batalha com algum problema profissional. Ter a consciência de quantas vezes deixamos nossa saúde de lado para dedicar-se à profissão, por pura responsabilidade. Quantas vezes as mulheres trabalharam com fortes cólicas, enxaquecas, TPM, quantas vezes os homens tiveram vontade de sumir do planeta Terra para ver se o estresse desviava deles. As jornadas duplas das mulheres que em casa ainda tinham que lavar, passar, cozinhar, faxinar, ser esposa, mãe.

 

Passar um dia inteiro tentando resolver um assunto no ambiente de trabalho e ir para a casa com a sensação de que esqueceu algum detalhe, e remoer as idéias durante a noite, e sonhar com trabalho, com os colegas de trabalho, com a clientela, enfim, não desligar.

 

Perdão, senhor Aurélio, mas uma melhor definição para a palavra aposentar seria: 1. direito adquirido de sossego profissional; 2. entrar na fase da vida em que se é OBRIGADO a ser feliz!; 3. certificado vitalício de experiência. Aposentadoria para mim significaria: Estado de criação pessoal de funcionário público ou de empresa privada após certo tempo de serviço.

 

É certo que o ser humano não pode apenas abandonar tudo após a "fase de escravidão", ele necessita manter um certo ritmo para estar saudável, por isso recomenda-se: dançar muito, viajar por todos os lugares que a vida de escravo o impediu de ir, fazer coisas que dêem prazer, ler bastante, ir em todas as festas as quais for convidado, cuidar de si e de seus amados com afinco, sobretudo: SER FELIZ!

 

Por Cristiane Ortega Lopes

Professora da Rede Estadual de Ensino de São Paulo