Estudantes são premiados em concurso sobre Lei Maria da Penha

Foram produzidos em escolas estaduais redações e desenhos sobre a temática.

Alunos da rede pública estadual de ensino ganhadores do concurso de produção textual e de desenho com o tema Maria da Penha em Ação: Prevenção da violência nas instituições de ensino, realizado pelo Ministério Público do Maranhão (MP), receberam premiação na manhã de ontem, durante solenidade na Procuradoria Geral de Justiça. 

Foram premiados oito alunos, cinco participantes do concurso de redação e três do concurso de desenho. Os primeiros lugares de cada categoria receberam tablets e os demais, cortesias em restaurantes e grêmios, com direito a acompanhantes. Os professores e coordenadores dos alunos ganhadores também receberam premiações e certificados no evento.

A vencedora do concurso de redação foi Laiana Nobre de Oliveira, de 15 anos, estudante do 1º ano do Centro Educacional Lúcia Chaves, na Vila Esperança. Em sua redação, ela disse ter utilizado dados sobre a violência contra a mulher no país e destacou a educação como principal meio para mudar a triste realidade em que muitas mulheres ainda vivem.

"A violência infelizmente está em todo lugar e a educação pode estar ao alcance de todos. Ela é a principal arma que temos para conscientizar a sociedade a denunciar qualquer tipo de violência contra a mulher", disse Laiana Nobre.

A solenidade de premiação aconteceu no auditório da Procuradoria Geral de Justiça, localizada na Rua Oswaldo Cruz, no Centro, e teve a participação de várias autoridades, como o procurador-geral de Justiça em exercício Suvamy Meireles, o promotor da Educação, Paulo Avelar, as promotoras de Justiça de Defesa da Mulher Selma Regina Souza Martins e Márcia Haydée Carvalho, entre outros.

Campanha - Desde o dia 24 de agosto, a 15ª e 16ª Promotorias de Justiça Especializada na Defesa da Mulher da capital desenvolvem a campanha Maria da Penha em Ação: Prevenção da violência nas instituições de ensino em mais de 90 escolas de ensino médio da rede estadual de educação, com a participação de aproximadamente 51 mil alunos.

A promotora de Justiça de Defesa da Mulher Selma Regina Souza Martins destacou o projeto como uma das principais causas do aumento do número de denúncias de violência contra a mulher. Ela informou que desde agosto aumentou em 70% o número de denúncias.

"Esses jovens um dia formarão famílias e escolhemos justamente este público, que é o futuro do nosso país, para plantar a sementinha da conscientização, e com isso diminuem os números de violência contra a mulher que ainda são alarmantes", informou a promotora.

Fonte: Jornal Estado do Maranhão